Os planos do BRB de se tornar uma marca nacional, atualizada, moderna e digital tendo o Flamengo como parceiro

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

O jornalista Marcos Paulo Lima foi o convidado do Mauro César Pereira, em seu canal no youtube, para contar como se deu a parceria entre Banco de Brasília e o Flamengo, que ainda precisa ser aprovado pelo Conselho Deliberativo do clube da Gávea.

Marcos Paulo inicia seu comentário relembrando que o primeiro apoio do BRB no futebol foi com o Gama, em 1998, quando subiu para a primeira divisão. O patrocínio continuou pelos próximos anos, até a equipe ser rebaixada em 2002.

Em 2005, conta o jornalista, o BRB voltou a apoiar o futebol, ao patrocinar o Brasiliense. Não durou um ano. Na temporada seguinte a equipe candanga foi rebaixada e o patrocínio extinto. De lá para cá, não houve mais qualquer interesse de apoiar as principais equipes de futebol.

A estrategia então foi entrar no basquete. Com o Uniceub / BRB e depois Universo / BRB, mais conhecido como Brasília, foi tricampeão brasileiro. Contudo, a equipe foi enfraquecida e o apoio diminuiu.

Agora, já com Ibaneis Rocha, governador do Distrito Federal, a bola da vez passou a ser o basquete do Flamengo. Foi dessa forma que houve a primeira aproximação entre governo distrital, Banco de Brasília e clube da Gávea, mas sempre sondando e buscando informações de como entrar e patrocinar o futebol.

Marcos Paulo Lima, que trabalha no Correio Brasiliense, diz que, em outubro do ano passado, houve um contato do BRB com a diretoria Rubro-Negra para saber sobre o contrato do Flamengo com a BS2, então patrocinador master do clube. Os dirigentes do banco perceberam que era forte a entrada dos bancos digitais no futebol.

Foi então que caiu a ficha para o Banco de Brasília: era preciso se reinventar para não perder clientes para os bancos digitais. Seria necessário um projeto atraente para entrar no mundo digital.

O projeto foi montado e o marketing do BRB começou a acompanhar de que forma seria a negociação para patrocinar o Flamengo. Após surgir notícias sobre Amazon e Americanas, o Banco de Brasília apresentou seus planos à diretoria Rubro-Negra para ter o clube da Gávea como parceiro nessa entrada no mercado digital.

Há poucas expectativas de que agências físicas serão abertas. No Rio, por exemplo, só existe uma agência do banco brasiliense.

O atual presidente Paulo Henrique Costa assumiu com a missão de transformar o BRB em uma marca nacional, atualizada, moderna e digital. E não poderia encontrar parceiro melhor do que o Flamengo. O dirigente chegou a ser vice-presidente da Caixa Econômica Federal nos tempos que a instituição patrocinava grande parte dos times da elite do futebol.

O jornalista finaliza afirmando que, durante o tempo de contrato (36 meses), o Flamengo deverá jogar em Brasília, pois essa seria uma das contrapartidas, da mesma forma que o basquete Rubro-Negro, patrocinado pelo banco, também atua na capital federal. As partes entendem que não seria uma venda do mando de campo, prática vedada pela CBF para o próximo Campeonato Brasileiro, mas uma ação de marketing, o que não seria proibido.

Ps. O BRB deverá renovar o contrato de patrocínio com o basquete do Flamengo.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.