O Globo: Finanças de Boca e River apimentam disputa com clubes brasileiros pela Libertadores

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

Confira matéria do jornal O Globo dessa quinta-feira (4).

No Monumental de Lima, três minutos e dois gols mudaram o destino de, no mínimo, R$ 27 milhões. Não tivesse o Flamengo vencido o River Plate na final da Libertadores em 2019, o cenário financeiro entre os grandes de Brasil e Argentina seria um pouco diferente. O rubro-negro decolou.

O embate esportivo recente é exemplo de como os principais clubes brasileiros e os dois gigantes vizinhos também concorrem em termos econômicos, como aponta estudo da consultoria EY. Isso reforça a tendência de dominação dos países na competição continental.

Na comparação Brasil x Argentina, só Fla e Palmeiras arrecadaram mais que o Boca Juniors em 2019. O último balanço de um dos semifinalistas da Libertadores aponta R$ 540 milhões em receitas. Algo superior, por exemplo, a Grêmio, Internacional e aos paulistas Corinthians e São Paulo.

— Estamos indicando que os oito clubes tendem a dominar o cenário sul-americano de futebol. Cada vez mais vai se olhar a rivalidade para o continente e menos para os estados. É para onde o ponteiro econômico está apontando — avalia Alexandre Rangel, um dos sócios da área de Esporte da EY.

(…)

O item do balanço financeiro que sofre impacto direto é o que concentra receitas de direitos de transmissão e premiações. Os brasileiros levam vantagem por fazerem parte de um mercado mais rentável. Mesmo com as boas campanhas dos argentinos na Libertadores, a receita de Boca e River no quesito foi praticamente igual a do São Paulo, eliminado pelo Talleres ainda na segunda fase preliminar.

A maior fatia das receitas do Boca (35%) se concentrou nas transferências de jogadores. O percentual é similar ao do Fla (32%), embora o rubro-negro leve a melhor em números absolutos: R$ 300 milhões contra R$ 190 milhões.

O Boca registra ótimo desempenho com matchday (dia de jogo), até por ter um dos estádios mais icônicos do planeta: La Bombonera. A arrecadação nesse item, de novo, só foi menor que a do Flamengo. Efeito Maracanã.

— Os clubes com melhores resultados em matchday são os que dominam o estádio e o programa de sócios. O Grêmio, por exemplo, perde porque não tem a bilheteria da Arena — explica Rangel.

O Boca ainda deixa como exemplo para os clubes brasileiros a fuga do endividamento: eram só R$ 53 milhões ao fim do ano. Ter dívidas não é, necessariamente, algo ruim. Mas a ausência delas dá tranquilidade para investimentos pesados no presente. Isso pode fazer diferença na retomada pós-pandemia.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.