Pandemia da Covid-19 pode regredir futebol brasileiro ao patamar de 2016

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

Foto: Infoesporte

Um estudo divulgado essa semana pela EY, assinado por Alexandre Rangel, Pedro Daniel e Gustavo Hazan, mostra que o futebol brasileiro pode retroagir em até três anos. Segundo as estimativas, o mercado brasileiro – com receita total de R$ 6 bilhões em 2019 – poderá regredir a um patamar semelhante ao visto em 2016, com uma retração que varia de R$ 1,34 bilhão a R$ 1,92 bilhão.

O estudo avalia o cenário com todas as competições sendo realizadas e finalizadas ainda em 2020, mas sem público. Fontes de receita, como direitos de transmissão e premiações, teriam redução de 30% a 40%, com a ressalva de que alguns clubes tem valores mínimos garantidos, o que os faz mais imunes a essa queda – casos de Flamengo, Corinthians, Palmeiras e Grêmio.

As transferências de jogadores para o exterior também devem diminuir, mas a desvalorização do real pode compensar essa perda, estimada de 25% a 40%. E sem público, os clubes não terão receita de rendas e deverão perder sócios-torcedores. Em resumo, na média, a queda seria de 22% a 32%, esse percentual no pior dos cenários.

O Flamengo realinhou o discurso. No balanço referente ao exercício de 2019,  o clube comunicou que “fez um testes de stress” com cenário de interrupção de jogos por três meses e concluiu: “os impactos financeiros são absorvíveis e não representam risco de continuidade nas operações”. Contudo, o balancete do primeiro trimestre já admitia que o impacto “é mais longo e severo do que o imaginado em março”. Trocou o otimismo pela “situação transitória” para uma dose de imprevisibilidade: “não é possível indicar o fim da crise”.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.