Braz e Spindel indicam o caminho para um 2020 ainda mais vitorioso

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

A temporada ainda nem acabou, tem um Mundial de Clubes na porta para ser disputado, mas o Flamengo já se prepara para 2020. Elevar o patamar, após conquistar o Campeonato Brasileiro e a Copa Libertadores, será um dos desafios para o ano que vem.

Os dois dirigentes mais importantes do futebol do Flamengo deram entrevista nessa sexta-feira a dois jornais.

Ao O Globo, o diretor de futebol Bruno Spindel revelou que o principal desafio é manter o elenco, trazendo reforços pontuais:

“Vamos trabalhar duro para ir bem no Mundial e para ter um elenco ainda mais forte, mantendo os atletas, qualificando ainda mais, dando outras alternativas, aumentando o nível de competitividade do elenco, esses são nossos objetivos, para isso que a gente trabalha.Queremos manter todos do elenco campeão brasileiro, campeão da Libertadores. É único no Brasil. Vamos fazer esforço para que todo mundo fique aqui, e também qualificar. Ajudar o treinador a ter mais opções”.

Após as conquistas históricas em 2019, o segredo, segundo Spindel, é nunca se acomodar:

“Em 2019 aconteceu e não pode nunca se acomodar. Tem sempre que estar fora da zona de conforto para buscar um degrau acima. A forma como a gente performou, os outros vão aprender, tem que estar sempre um passo na frente, se ficar parado nos atropelam”.

Já em entrevista ao Extra, o vice-presidente de futebol Marcos Braz deu o recado que, quem quiser ficar e o Flamengo tiver interesse, vai continuar:

“Os jogadores que querem ficar no Flamengo e que o Flamengo tem interesse, a gente não perde. Vamos conseguir manter. Você tem o sentimento do jogador quando tem um título expressivo, e acha que tem que ter um reconhecimento melhor, isso é normal. Processo natural o empresário vir, pedir para melhorar um pouco, pedir premiação para um título maior”.

Sobre a contratação de Arrascaeta, Braz considerou como um reforço-símbolo da nova gestão – que fora eleita em dezembro de 2018:

“São Paulo queria vender (Rodrigo Caio). Flamengo acreditou, teve condição de comprar. Não fomos agressivo para tomar. Só teve um, que foi a chegada do Arrascaeta. Representou a chegada da diretoria. Foi isso. Esse símbolo. Mas não tem a ver com querer enfraquecer. O jogador também queria vir”.

E que o uruguaio, após chegar como a contratação mais cara da história do Flamengo, deu a resposta em campo:

“Jogador caro é o que não ganha porra nenhuma quando vem. Quando vem e contribui como ele contribuiu, já fica uma interpretação diferente do que é caro e barato. Arrascaeta é caro ou é barato? Só ver como ele ajudou. Ele ajudou o suficiente”.

Marcos Braz também concedeu entrevista ao O Globo e abordou a organização dentro do comando de futebol do clube:

“Teve mudança no meio do ano, o Noval foi para a área de transição, em que aparece com contundência, tem experiência no futebol e na base, e está numa função importante. O Bruno tem um papel importante, com méritos. Pelaipe é o cabelo branco do futebol, a cabeça branca. Por mais que eu tenha experiência, vivência, sempre bom ter a cabeça branca no dia a dia do futebol. As pessoas se ajustaram nas funções. Tem o Gabriel (Skinner, supervisor), com aquele tesão de quem está querendo aproveitar a oportunidade. Foi uma conjuntura que se construiu. E como eu acho que o futebol não tem só um caminho, foi o que a gente encontrou. Parece que deu certo”.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.