Ninho da Nação

Ricardo Araújo Pereira: “Jorge Jesus ensina aos seus atletas o que fazer em 88 minutos e meio”

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

O treinador Jorge Jesus foi tema da coluna do humorista português Ricardo Araújo Pereira na Folha de S. Paulo desse domingo.

Confira a crônica na íntegra:

“Quando, em julho deste ano, o meu amigo carioca e flamenguista Francisco Bosco me perguntou o que eu achava da contratação de Jorge Jesus, disse: em três anos, vocês serão campeões três vezes, vencerão pelo menos uma Libertadores e vão jogar o melhor futebol desde o Zico.

Neste mês encontrei o Francisco em Portugal e ele olhou para mim como se eu fosse um profeta. Na verdade, não era preciso ter poderes especiais. Quando, em 2009, Jorge Jesus chegou ao maior clube do mundo (o Benfica, para os distraídos), era já um técnico de 55 anos e tinha uma boca muito maior do que o currículo. Embora tivesse treinado apenas times de menor dimensão, tinha uma confiança nas suas capacidades que chegava a ser cômica.

Na primeira coletiva, disse: “Comigo, estes jogadores vão passar a jogar o dobro”. Ninguém achou que ele cumpriria a promessa —e não cumpriu: os jogadores passaram a jogar o quádruplo. Nos quatro anos anteriores à chegada de Jesus, o Benfica tinha ficado três vezes em terceiro e uma em quarto —registro paupérrimo para o maior clube português, com o maior número de torcedores e mais campeonatos nacionais conquistados.

No primeiro ano, Jesus foi campeão ligando aquilo que ficou conhecido como o “rolo compressor”. Num jogo no Estádio da Luz, a casa do Benfica, o adversário era o Vitória de Setúbal. Jesus tinha má relação com o treinador adversário (o que não é raro) e, antes do jogo, anunciou aos jogadores: “O objetivo é 10 a 0”. Ao intervalo estava 5 a 0. Os jogadores recolhem ao vestiário e Jesus grita: “É para continuar. Quem tirar o pé não joga!”. A poucos minutos do fim, quando estava 8 a 0, os visitantes aproveitaram um desentendimento entre David Luiz e o goleiro e reduziram.

Dizem que, no fim do jogo, pela primeira vez na história do futebol os jogadores de um time que tinha ganho por 8 a 1 estavam meio tristes. Nos seis anos de Jesus, o Benfica foi campeão três vezes e o pior que fez foi ficar em segundo. Além disso, foi bicampeão nacional pela primeira vez em 20 anos e foi a duas finais europeias consecutivas pela primeira vez em mais de 50. No total, ganhou 10 títulos.

A primeira vez que reparei em Jorge Jesus foi em 2007. Ele treinava o Belenenses, que tinha sido convidado para um torneio de pré-época com o Real Madrid. Os espanhóis ganharam por 1 a 0 e, no fim do jogo, Bernd Schuster, técnico do Real, queixou-se de que o Belenenses tinha adotado postura demasiado defensiva. Jesus respondeu: “Com os jogadores que tu tens, dava-te três gols de avanço, mudava aos cinco e acabava aos 10.”

É uma resposta que o define bem: os times dele têm o espírito do futebol de rua, do drible malandro e exibicionista, mas consequente, a serviço da obsessão pela vitória, e aquela agressividade competitiva do garoto que, depois de fazer gol, grita para o goleiro: “Vai buscar!”.

Se o melhor documento da qualidade de um técnico é a opinião dos seus jogadores, Jesus tem a certificação certa.

Uma lenda, igual a tantas do mesmo gênero, conta que uma vez, num jantar na casa de um antigo jogador do Benfica e da seleção portuguesa, alguém perguntou: “Quem foi o melhor treinador que tiveste na carreira?” Resposta imediata: “Jorge Jesus.” A mulher dele indignou-se: “O Jesus?! Ele nem te punha a jogar, deixava-te quase sempre no banco!”. Então, calmamente, o craque disse: “Repara.” Pegou no celular e enviou a mesma mensagem para vários antigos colegas, naquela altura a serviço de Real Madrid, Chelsea, PSG: “Quem foi o melhor treinador da tua carreira?” Passados alguns segundos, todos mandavam a mesma resposta.

Sempre que chega a um novo time, a primeira coisa que Jesus faz é perguntar ao elenco: “Em 90 minutos de jogo, sabem quanto tempo, em média, é que cada um de vocês tem a bola nos pés? Um minuto e meio. Eu vou ensinar-vos o que fazer nos outros 88 minutos e meio.” Outra lenda: ao fim de alguns meses de treino com ele, um internacional belga disse-lhe: “Mister, eu não sabia que jogava tão bem…”.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *