Ninho da Nação

PVC: A estrategia do Grêmio para contra-atacar a linha alta de marcação do Flamengo

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

A fórmula do Flamengo jogar tem sido alvo de estudos e análises cada vez mais profunda. Uma dessas, tem sido a forma da marcação Rubro-Negra avançada, que pressiona a saída de bola do adversário e, daí, buscar o antídoto dos adversários para contra-atacar.

Confira a coluna do PVC, nessa segunda, na Folha de SP, que detalhe essa tentativa:

“Estudar o Flamengo virou praxe em todos os clubes da Série A. O Grêmio, especialmente, precisará entender o que atrapalhou mais e qual estratégia prejudicou menos os planos de Jorge Jesus, antes de entrar no gramado do Maracanã para a semifinal da Libertadores, na quarta (23). Quebrar a marcação por pressão rubro-negra pode ser o segredo.

O departamento de análise de desempenho do Athletico estudou a derrota por 2 a 0 para o Flamengo no domingo (13) e concluiu ter ultrapassado a primeira linha de Jesus 9 vezes. Destas, em 7 ficou no mano a mano com três atacantes contra três zagueiros e finalizou. O Fluminense também conseguiu.

O primeiro gol do Flamengo nasceu de um erro de passe do goleiro Léo, forçado por quatro atacantes de Jorge Jesus que pressionavam quatro defensores paranaenses. Pela câmera de trás do gol é possível ver, do outro lado do campo, os atacantes athleticanos Marcelo Cirino, Thonny Anderson e Rony contra Renê, Rodrigo Caio e Rafinha. O outro zagueiro do Flamengo, Pablo Marí, estava na intermediária do ataque pressionando o meia Léo Citadini.

Se em vez do passe curto e errado Léo fizesse um lançamento —não um chutão—, pegaria a defesa do Flamengo sem cobertura.

Há quem diga que Jorge Jesus é revolucionário. Não é. Ele é agressivo. Pressionar a saída de bola e marcar o goleiro adversário é muito bom. Mas, se um jogador tem a função de pressionar o goleiro, é lógico que atrás não será possível ter alguém na sobra.

O Grêmio não está bem, perdeu suas duas últimas partidas, e o Flamengo é favorito, por ter as melhores atuações entre os times brasileiros nos últimos três meses. Isso não exclui que estratégias bem elaboradas dificultem ou impeçam Jorge Jesus de executar o estilo que mais lhe convém.

Se calhar, Jorge Jesus encontrará o Grêmio travando mais o jogo com passes curtos, para tirar a velocidade, e impondo passes longos, pelo chão, para deixar Everton Cebolinha contra Rafinha, um contra um. Pode ser melhor ainda para o Grêmio se, em vez de Rafinha, machucado, jogar João Lucas ou Rodinei.

Vença o Flamengo ou o Grêmio, a possível final contra o River Plate —se eliminar o Boca— mostrará pelo quarto ano seguido que a Libertadores mudou. Desde o River Plate, do técnico Marcelo Gallardo, em 2015, vence o torneio sul-americano quem joga, não quem guerreia.

Foi assim também com o Atlético Nacional, em 2016, com o Grêmio, em 2017, e com o River de 2018, apesar da brutalidade de sua torcida.

“Para mim, o futebol de hoje é saber jogar, saber interpretar e estar bem fisicamente.” A definição de Marcelo Gallardo explica por que seus times se preocupam primeiro em tratar da bola. Não que a tendência do jogo franco na Libertadores prevaleça para sempre. Como diz Gallardo, o melhor antídoto para uma vitória é perder, porque quem crê poder vencer sempre trabalha com situação irreal.

A lembrança também serve para entender o favoritismo do Flamengo. Na Libertadores em que vence quem atua melhor, ninguém está jogando mais do que ele. Só que o dicionário não tem como sinônimo de favorito a palavra vencedor. Antes de mudar o verbete, será preciso disputar os dois jogos da Libertadores”.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *