sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Estadual 2019: Flamengo 0 x 1 Fluminense


No primeiro desafio do ano, onde bastava o empate para se classificar, o Flamengo sucumbiu ao Fluminense, perdeu por 1 x 0 e foi eliminado da Taça Guanabara.

A torcida não vai suportar ver seu time, com tantos jogadores capazes de fazer um jogo forte e impositivo, ter apenas 38,5% de posse de bola. É vergonhoso! E o pior, contra um adversário fraco, sem grande talento e sendo tratado pelo Abel como um super esquadrão.

Abel preferiu fazer o Flamengo fugir de sua característica, do que de manter o estilo de jogo e apostar no crescimento ofensivo, justamente após a ótima atuação contra o Cabofriense.

É muito pouco escolher jogar apenas via contra-ataque. É muito pouco fazer o Gabigol, artilheiro do Brasileirão, correr e ser o único a pressionar a saída de bola, ter que dominar chutões e ficar isolado lá na frente - quando teve a chance, parecia sem pernas e força. Que não seja a desculpa perfeita para Abel voltar com Dourado.

O Fluminense, ao contrário, limitado e sem grande talento, mas organizado e sabendo o que fazer em campo, pouco criou, mas fez o que planejou: não permitiu o Flamengo jogar. 

Fernando Diniz, com seu estilo já reconhecido de jogo, subiu a marcação para sufocar a saída de bola Rubro Negra e sem nenhuma grande dificuldade, fez o tricolor sair trocando passes diante de um adversário que pouco agredia, preferindo se fechar atrás da linha do meio de campo ao invés de estender seu time.

Diniz ainda lançou jogadores mais incisivos para buscar o espaços pelas laterais e o treinador Rubro Negro foi incapaz de enxergar essa situação e dar um contra-golpe.

O mapa de calor do clássico de ontem é revelador: Flamengo não teve meio de campo.


A questão é saber se Abel vai conseguir fazer o Flamengo jogar como deve ser. Não sendo uma equipe que troca passes infrutiferamente, sem qualquer agressão ou perigo, mas é preciso partir desse ponto e avançar, evoluir, no entanto, o que tem visto é uma equipe retroceder e retornar algumas casas.

Um dos pontos decisivos é arrumar o lugar para Arrascaeta. Não por ter sido a maior contratação da história, mas por demonstrar em campo que é um jogador decisivo, diferenciado e de passes certeiros. É pra chegar no treinador e falar: se não conseguir, pode arrumar suas coisas é ir embora.

O meio de campo com Diego e Arão tem histórico de fracasso e derrota, zero título. Sem contar que Arão continua jogando mais avançado que Diego. É inexplicável.

Um "risco" que o Flamengo corre é ganhar jogos graças à individualidade de seu forte elenco, mas campeonato se conquista com a força de um time que sabe o que fazer em campo. Não pode ficar dependendo apenas do talento de seus jogadores, é muito pobre.

Bastou enfrentar um treinador com ideias mais avançadas que tomou uma invertida. Era assim quando estava do outro lado, e sucumbiu a Zé Ricardo e Maurício Barbieri.

Abel no Flamengo é prazo curto, todo mundo já sabe o final dessa história. O duro é que ano após ano o clube aposta sempre em: estudiosos e promissores ou em medalhões ultrapassados. Está difícil chegar em um meio termo.

3 comentários:

Anônimo disse...

Que meio termo que existe no mercado brasileiro???? Talvez Renato Gaúcho, mas ele vem a dois anos renovando com o Grémio e ficando lá, não foi por falta de tentativa do Flamengo.

João Paulo disse...

Eu sempre disse que o Flamengo gasta a grana do Palmeiras pra ganhar o carioca. Agora isso mudou, é pra ganhar da Cobofrience.
Essa temporada tem uma curiosidade interessante, é o volante Rômulo no Grêmio, que até aqui, vem jogando bem. Ele este jogar se der bem no Grêmio podem fechar o futebol do Flamengo.

João Paulo disse...

Cadê aquele pessoal de plantão pra puxar o saco a diretoria? Nem o cara do blog? Nem o Barreto? Nem o Barreto?