terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

NBB 2018/2018: Flamengo 71 x 72 Paulistano


O Paulistano segue, por enquanto, sendo a única equipe que venceu o Flamengo duas vezes nesse NBB.

No primeiro turno, vitória na estreia 72 x 67. Nesse sábado, triunfo por 72 x 71. Foi a 13ª vitória seguida da equipe paulista, que impediu o que seria a 10ª seguida do Flamengo.

Não vi a partida, pelos comentários pós-jogo e análise do scout o grande nome foi Marquinhos, com inacreditáveis 37 pontos. Aproveitamento de 74%, anotando 15 dos 25 pontos do Rubro Negro no período final. Ou: mais da metade dos pontos da Gávea foram marcados por ele.

O grande mérito do Paulistano foi ter impedido o forte jogo coletivo Rubro Negro, que vinha sendo o destaque dos últimos jogos e ninguém, fora Marquinhos, conseguiu dois dígitos de pontuação.

A forte reação no final do Flamengo, que ficou a uma cesta de Varejão da vitória, não tira os méritos da equipe de Gustavo de Conti, que segue sendo o grande nome do basquete brasileiro.

Não vi o último lance, mas, de fato, a bola não poderia ter ido para Ramon tendo 0/14 na partida.

A liderança do NBB ficou complicada pro time da Gávea, após as duas derrotas para o Paulistano.

O time agora jogará duas partidas fora de casa: Joinville, hoje, às 20h e Caxias na quinta.

5 comentários:

Joanilson Silva disse...

Sobre essa historia da ultima bola ir para na mão do Ramon, faltavam 3 segundos, tds dizem q o Gustavo é excelente tecninco, alguem tem duvidas q o Marquinhos seria marcado para não receber essa bola?!!!
Eu estava no ginasio então não ouvi as instruções do Neto, mas será mesmo q ele armou a jogada para o Ramon arremessar ou as consequencias da boa marcação e o pouco tempo fizeram essa bola não chegar no Marquinhos ou ate no Marcelinho?

Varejão ainda encontra-se fora de forma o q é totalmente normal, então acabou pecando em muitos lances tanto na defesa como no ataque, acho que ele errou os ultimos 3 ataques dele, um pegando o proprio rebote e errando o tapinha.

Pecos no quarto periodo conseguiu a proeza de dar 1 lance livre num contra ataque que o jogador do paulistano ja estava fazendo a cesta.

Acho q o JP deveria ter jogado mais, mas ele tbm não estava bem no jogo, na verdade so o Marquinhos jogou o seu basquete.

Foi bem diicil a derrota, mas acho q o merito foi muito mais do Paulistano do q erro do Neto.

Barreto disse...

Quem jogar contra o Paulistano acelerando o jogo tem grande chance de perder. O Flamengo tem dificuldade de praticar o jogo cadenciado devido a característica de seus armadores. Já comentei aqui no blog várias vezes: a comissão técnica precisa fazer com que os armadores do Fla possam alternar a velocidade do jogo de acordo com o adversário ou andamento da partida. Na minha opinião este é o principal ponto a ser corrigido.

Duas perguntas:

Olivinha já não merece um banquinho?

Aquela última bola do Varejão não pedia uma enterrada?



José Roberto disse...

André,

do que eu vi, o primeiro tempo foi disputado com placar baixo. No terceiro quarto, o Paulistano pegou seguidos rebotes ofensivos e foi pontuando, abrindo vantagem no placar. Marquinhos começou a chamar o jogo e a se destacar.

No último quarto, Marquinhos brilhou, Varejão entrou no jogo, foi muito bem no garrafão defensivo, o Flamengo foi tirando a vantagem e no final, na bola da vitória, Varejão ao invés de simplesmente enterrar e nos garantir a vitória por um ponto de diferença, optou pela tabela, a bola bateu no aro e saiu.

Fica como aprendizado. Tem que fazer a bola de segurança. Marcar o ponto do jeito mais simples possível.

Barreto, concordo com você sobre o Varejão. Quanto ao Olivinha, eu achei o contrário. Ele ficou o tempo todo no banco no terceiro quarto. Podia ter jogado mais.

Abraços.

Antonio Ferreira disse...

O Flamengo perdeu o jogo no segundo e terceiro quartos. O Flamengo fez 16 + 15 = 31 pontos em dois períodos, enquanto o Paulistano (que tem uma equipe homogênea, joga muito no coletivo) fez 22 + 27 = 49 pontos nos dois períodos. No quarto derradeiro o Flamengo entrou perdendo de 15 pontos e só permitiu ao Paulistano 11 pontos, muito em função da entrada do Pilar na marcação. Jogou 7,3 minutos, todos no último quarto. Por que não entrou antes? Por que o Flamengo não apertou na marcação antes? Por que deixou pro último quarto? O jogo de infiltração e no contato lá dentro carrega o time adversário de faltas e pra time que tem rotação fraca é complicador. Aliás, jogar dentro do garrafão força a marcação a liberar o chute de fora. Se os homens grandes ficam no perímetro, a marcação do chute de fora é sempre mais fácil, porque a dobra e a marcação fica mais fácil, seja no armador ou no chutador. Assistência pra chute de três tem que vir de dentro pra fora. A última bola do Varejão, após assistência magistral, não se perde. Me desculpem, jogou na NBA, etc... mas recebe, ajeita o corpo, protege a bola e faz a cesta. Simples assim. Tava debaixo da cesta. Deixando bem claro... Ele não foi o responsável sozinho pela derrota, o time foi e principalmente o José Neto. Deveríamos ter entrado com outra postura no 3º quarto. O técnico tem que parar o jogo e chacoalhar o time. O time no 4º quarto foi outro. O que falou no intervalo que não pode falar num tempo?

Caio Badaró disse...

Doeu essa derrota. Realmente, concordo quando disseram que jogar contra o Paulistano acelerando é complicadíssimo. Além disso, o desempenho do Flamengo nos rebotes defensivos foi angustiante, um festival de segunda e terceira chance para o adversário.

Também não entendi a demora na mudança de postura. O Flamengo tem na rotação JP, Rhett, Olivinha, Varejão, Pilar, João Vitor... Tinha que parar o Nesbitt de algum modo. Não entendi a demora em parar, ainda que com falta, esse jogador (só com a entrada do Pilar, no quarto período, é que isso aconteceu).

De toda forma, é preciso reconhecer que o Paulistano fez uma grande partida.