segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Entrevista: Rafael Strauch, vice-presidente de Administração do Flamengo


O que pensam os dirigentes do Flamengo com a atual fase da equipe? Qual a análise interna do alto escalação Rubro Negro?

Para esclarecer essas dúvidas, o blog entrevistou o Rafael Strauch, vice-presidente de Administração do Flamengo e chefe do gabinete da presidência.

Confira:

Em entrevista à Folha de SP, Reinaldo Rueda afirmou que o Flamengo fez investimentos alto, com jogadores de talento e nome, mas chegaram fora do momento ideal, ou seja, na metade do ano. O Flamengo tem vivido nos últimos de fortes investimentos na metade da temporada. Qual sua avaliação sobre isso? Quando romper com esse ciclo de contratar jogadores com o campeonato em andamento?

Há dois grandes motivos: um de ordem financeira, outro da dinâmica do mercado de transferência do futebol internacional.

1) Ordem financeira: comparativamente, julho é um momento do ano em que dispomos de mais recursos para fazer as contratações do que em janeiro. Pode parecer que não faz diferença, mas muitos leem o orçamento do ano seguinte de forma estática, só que aquele documento é um retrato de uma série de eventos que irão ocorrer ao longo do ano. Por exemplo, os primeiros meses do ano são os mais duros, com uma série de despesas e baixa entrada de recursos, o que dificulta um melhor aproveitamento nessa janela.

2) Janela de transferência: a principal janela do futebol (pré temporada) se dá no meio do ano, ou seja, o momento de metade da temporada aqui é final de temporada em uma série de países. Essa questão se reflete em todos os clubes, talvez fique mais latente para a torcida do Flamengo pelo fato das contratações de maior impacto terem vindo na janela de meio de temporada do nosso calendário (e final do europeu).


O sistema gerencial do Flamengo é de ter executivos à frente das pastas.  O futebol tem apenas um título estadual desde a contratação de Rodrigo Caetano. Levando em consideração o forte investimento esse ano, na sua opinião, é satisfatório o trabalho do executivo de futebol?

A Conquista de títulos é a ambição máxima de um clube de ponta, e no Flamengo isso é ainda maior. Não acho que qualquer funcionário do Departamento de Futebol esteja satisfeito com apenas um estadual... A pergunta correta é: o que temos que fazer ou mudar para que o Flamengo seja mais bem-sucedido nas competições principais que disputamos e disputaremos?


Um dos grandes dilemas para a torcida é como funciona o centro de inteligência para contratação de jogadores. Poderia explicar como funciona?

Posso, mas aí não seria uma opinião, seria uma descrição do trabalho do Centro de Inteligência de Mercado (CIM) e acho que há pessoas mais gabaritadas para falar a respeito, tais como o Luis Nogueira (assessor da presidência para a base) e Ricardo Lomba (VP de Futebol).


A percepção de quem está fora, até pelo discurso, é de que as coisas vão acontecer naturalmente no Flamengo, porque tem jogadores bons, estrutura, pagamento em dia. Que os resultados acompanharam o investimento. Esse é seu raciocínio também? Porque em dois gestões só veio uma Copa do Brasil no primeiro ano?

Ninguém está apostando na inércia, menos ainda na passividade. O Flamengo não será multicampeão só porque tem bons jogadores, estrutura, pagamento em dia... Essas questões são pontos necessários que garantirão a nossa competitividade ao longo do tempo, mas não são suficientes para chegarmos onde queremos em termos de títulos. Competição de alta performance tem esses e outros atributos necessários, como aspectos psicológicos, motivacionais, aperfeiçoamento de processos, etc. É por isso que contratamos a EXOS e a Double Pass. Estamos buscando excelência em todos esses pontos, o que maximizará nossas chances de êxito em campo.


Estadual é considerado título importante? Mesmo após quase ser boicotado pelo Flamengo e toda disputa de poder contra a FERJ?

É um título, mas importante é entrar para disputar TUDO! A expectativa era por um ano melhor do que está sendo, principalmente na Libertadores e no Brasileiro. Mas, a despeito disso, chegamos à final da Copa do Brasil e estamos na semifinal da Sul-Americana. Temos chance de terminar o ano bem.


Qual o sentimento político dentro da Gávea, principalmente pela SoFla, da situação atual do futebol. Considerando um grupo que cresceu com ideias novas e hoje recebem muitas críticas

Não sou da Secretaria Executiva do Grupo e não falo em nome de todos. Mas, pelo o que eu converso e vejo acho que o grupo sofre pela pressão por ter sido o motor político que permitiu a vitória nas duas eleições (2012 e 2015) da Chapa Azul. E, obviamente, essa exposição política traz consigo a cobrança dos que apoiaram e a truculência dos derrotados. Trata-se de uma covardia dos derrotados atribuir os resultados negativos do futebol ao Grupo, que é formado por torcedores fanáticos que viraram sócios e buscam ajudar o Clube em diferentes áreas. Até projeto de Lei o SóFLA ajudou escrever... Eles sofrem e comemoram como qualquer outro torcedor fanático.

4 comentários:

Barreto disse...

Parece até o técnico José Neto do basquete. Todas as respostas são evasivas que não dizem nada ou nada dizem

Joanilson Silva disse...

Análise perfeita do Barreto, mas o cara de Administração falar sobre o futebol é pra mim muito louco, talvez se colocou nessa situação ou foi colocado com essa intenção mesmo, vai lá e da uma moral pra diretoria.

Felipe B disse...

Tambem acho que o vp tinha que falar do departamento dele e nao de futebol, porem a unica coisa que nao encaixou foi justamente o futebol. Bom lembrar que Antigamente o Fla disputava para nao cair, nenhum jogador queria vir jogar no Fla pq sabia que nao iria receber e a divida somente aumentava. O Fla esta bem em varios depts graças a Deus, porem o futebol nao implacou. Acho que o Rodrigo Caetano sim deveria ser questionado sobre resultados. Ate mesmo o EBM que acho que ja esta muito tempo no poder. Acho que ja deu para ele. Acho que com essas mudanças o Fla podera dar mais um avanço rumo aos titulos.

José Roberto disse...

Concordo com o Barreto e o Joanilson. Essa entrevista foi realizada no hospício? Eu li, li a não foi dito nada que tenha a ver com o fracasso do futebol. Todo ano é a mesma coisa: "os títulos virão amanhã."

O futebol é administrado por torcedores fanáticos? Ah, que bom saber disso. A minha bisavó tem 114 anos e é fanática pelo Flamengo. Aonde ela preenche a ficha para ser a nova VP de Futebol do Flamengo? Fiquem tranquilos todos: ela é honesta e vai ser voluntária. Ela recebe uma boa pensão e não vai cobrar nada pela dedicação dela.

Os perdedores só sabem fazer uma coisa: dar desculpas.

Sabe o que é preciso para ser campeão? COMPETÊNCIA!!!!!!!!!!!!!!!!

Esse "amor vadio, vagabundo, incompetente, preguiçoso sabe o que está resultando?

Só um exemplo: Campeonato Brasileiro 2017: 32 jogos, ridículas 12 vitórias.

Eu garanto para vocês que eu jamais seria desrespeitado como VP de Futebol do jeito que esses "fanáticos" são por esse time. Eu sei lidar com gente!

Mas, o mundo está cheio de trouxas!!!

Trouxas que vivem com peito estufado. Não há cena mais patética. kkkkk

Olê lê, olá, lá. Minha bisa vem aí!
Esse time vai ACORDAR!!!!!!!!