segunda-feira, 1 de junho de 2015

Olé: "O rei Nico"

Nico Laprovittola, MVP do NBB e do Mundial, é o destaque do jornal Olé da Argentina. 

E novamente, como todo fim de temporada, especulá-se que depois de colocar o Brasil a seus pés o próximo passo do armador é jogar na Europa.

O link da matéria está aqui.


15 comentários:

Antônio Neto disse...

Deixando o clubismo de lado, acho que ele ficar mais um ano aqui no Brasil seria um erro, infelizmente o basquete jogado por aqui ainda está longe do nível europeu e para o desenvolvimento dele como jogador o passo ideal seria jogar em alguma liga competitiva da Europa, se for na liga ACB melhor ainda.

Agora como torcedor espero muito que ele fique.

Anônimo disse...

Alguns pontos que me chamam a atenção:

1) Melhores técnicos do NBB: Paco Garcia e Neto (não necessariamente nesta ordem). O Trabalho do Guerrinha é simplesmente péssimo! O time de Bauru ganhou o que ganhou nesta temporada muito mais pela qualidade técnica dos jogadores do que pelo trabalho coletivo. É um time sem repertório, que abusa das "bolinhas" de três e não sabe explorar o que deveria ser seu ponto forte, os dois pivos (como se o Hettsheimer se posiciona, na maioria das vezes, como um ala, longe da cesta e dos rebotes ofensivos?);

2) A grande chave da mudança do Flamengo na temporada foi a defesa, com as saídas de Hermann e Marcelinho do time tilular. Neste aspecto tem sido surpreendente a evolução do Benite;

3) Apesar dos títulos, algumas coisas não funcionaram bem essa temporada. A principal, a meu ver, foi o Hermann. Pelos valores envolvidos, ele deveria ter sido uma das estrelas da equipe, jogador de destaque. No fim, o seu custo-benefício acabou sendo ruim. Se conseguíssemos manter o nível de investimento (sei que é difícil), o potencial para melhora da equipe seria enorme, já que com a grana do Hermann o Flamengo poderia reforçar o elenco de forma substancial;

4) Outros que não funcionaram foram Gege e Felício. O primeiro é muito fraco e o segundo ainda vai precisar de uns bons anos para se tornar o jogador que precisamos. É óbvio que não podemos esperar que o Flamengo tenha um reserva capaz de manter o nível da equipe quando o Nico é substituído, mas há diversos jogadores no mercado superiores ao Gege. Quanto ao Felício, dá para notar que o garoto tem potencial (não para ser um jogador de seleção, como se pensava, mas pelo menos para ser um jogador de destaque no NBB). No entanto, acredito que o Felício vai "desabrochar" somente daqui há alguns anos. Por enquanto entendo que há diversos outros pivos (todos reservas em suas equipes) que poderiam substituir o Felício com ganho para a equipe (não estou falando de jogadores caros, titulares em seus times; estou falando de reservas mesmo! Como o Leonardo de Franca e o Gérson de Mogi; além de outros titulares de equipes piores, como o Ansaloni do Minas).

Enfim, se o Flamengo conseguir manter o nível de investimento (difícil, tendo em vista a dependência dos patrocínios incentivados, que não resolvem o problema, já que demoram a sair e acabam levando o time a conviver com salários atrasados) e também o quinteto titular (mais difícil ainda!), a tendência será ter um elenco ainda melhor que o deste ano, sobretudo se considerarmos o espaço que o Hermann deixará na folha salarial, espaço este que poderia ser utilizado para trazer outro reserva de bom nível para o Olivinha e reservas melhores que o Felício e o Gege.

Saudações Rubro-negras!

Não vejo a hora de sair a carta do Póvoa e de o André começar a divulgar as informações sobre as renovações e contratações do Mengão.

No entanto, estou muito apreensivo com a questão do orçamento para a próxima temporada. O mercado está em baixa e, infelizmente, a receita que vinha sendo utilizada pelo clube para investimentos no basquete não poderá ser mantida, ao menos não sem alguns ajustes importantes que assegurem o fim dos atrasos de salários na primeira metade da temporada.

Anderson.

Anônimo disse...

Antônio Neto,

Você tem razão em relação ao Nico, infelizmente.

A nossa sorte é que ele não tem passaporte europeu (que eu saiba!).

Como o número de estrangeiros (não europeus) é limitado, acho muito difícil que ele consiga espaço em equipes grandes da Europa. Vide o exemplo do Facundo Campazzo, que é mais badalado que o Nico, possui passaporte europeu e é, atualmente, o terceiro armador da equipe do Real Madrid (atrás de Sérgio Rodrigues e Luol, ambos da seleção espanhola), com poucos minutos em quadra.

Neste contexto, ele terá que optar por continuar no Brasil, sendo uma estrela; se tornar um coadjuvante em equipes grandes da Europa (acho difícil que elas se interessem por ele, porque essas equipes têm muita grana para contratar estrangeiros de ponta, já adaptados ao basquete europeu - estou falando de Real Madrid, Barcelona, CSKA, Olimpiakos, Fenerbace e etc.); ou jogar em equipes pequenas da Europa, como fizeram Pipa Gutierrez, Augusto Lima, Raulzinho e Rafael Luz.

Não sei não, mas acho bem possível que ele permaneça por aqui, desde que o Flamengo possa garantir que não haverá novos atrasos de salário.

Saudações rubro-negras!

Anderson.

Antônio Neto disse...

Anderson, não tinha me ligado no problema do passaporte. Algo que pode atrapalhar também é o salário que o Laprovittola ganha, não sei se os clubes pequenos e médios estão dispostos a pagar algo parecido.

Sobre os atrasos de salário no início da temporada, me pergunto se não é possível agilizar logo esse processo de captação ou então em última medida pegar um empréstimo para manter o capital de giro sobre controle.

Certo também que não teríamos esse problema se tivéssemos outras fontes de receitase assim não depender tanto do dinheiro vindo da lei de incentivo fiscal. O ideal seria ter um orçamento mais confiavel e equilibrado, com um aporte maior de empresas privadas e quem sabe um sócio-torcedor específico para o basquete.

Barreto disse...

Anõnimo,

Repeito, mas discordo totalmente da sua opinião sobre o Felício, que vai jogar a summmer league pelo chicago Bulls. Acho que o Flamengo tem que renovar com o Felício. Na próxima temporada ele vai dar um outro salto de qualidade como deu nesta temporada. Não vejo nenhum outro pivô reserva e nem mesmo a maioria dos titulares dos outros times com mais condições do que ele. Felício apesar da sua envergadura é ágil, marca muito bem e já foi fundamental nesta temporada. Com relação ao nível de investimento, há muita especulação sobre a redução no valor, mas na realidade nada existe de concreto. Tudo indica que o Flamengo vai manter o mesmo nível de investimento. O jogo acertado com o Orlando Magic já é uma indicação que o nível do time será mantido. Não me surpreenderei também se o Flamengo conseguir outro patrocínio direto. Com relação ao Nico é certo que um dia ele sairá e quando isto acontecer poderemos contratar um armador da D league com sário compatível com a nossa realidade, porque nesta liga os salários estão baixos. Nesta liga existe pelo menos 3 armadores ainda melhores do que o Nico. Espero que não pensem em Scott Machado, vi 3 jogos recentes do Scott na liga VTB e posso afirmar que tudo indica que não tem nível de basquete para manter o padrão Nico. Concordo totalmente com a idéia de não renovar com o Herrmann, acho que não justifica o alto investimento.

Anônimo disse...

Não entendo porque pegam tanto no pé do Felício, ele em termos defensivos já é excelente e ofensivos poderá ser desenvolver mais inclusive com a experiência na Summer Ligue da NBA. Vale a pena a manter o Felício e continuar a trabalhar no seu desenvolvimento ele já foi importante na rotação junto com o Maynesse. O Felício já é muito melhor que o Gerson do Mogi e joga o mesmo número de minutos.
Quanto ao Gêge acho que para a reserva do Nico ele tem sido importante e quem tem um reserva do nível do Gêge para seu armador titular???? No Baúru não tem e pegar um titular para ser reserva é difícil.
Querem 9 jogadores de nível parecido só no basquete europeu, vamos ver como será o trabalho em relação ao Herman que acho que foi bem na temporada, mas não foi espetacular e talvez não valha o salário.

Antônio Neto disse...

Eu também apostaria no Felício ainda, apesar de toda inconstancia acho que ele mostrou que tem potencial. Ele fez uma boa temporada na minha opinião, foi muito bem na pré temporada e oscilou bastante durante a temporada regular, mas nos playoffs tirando esse último jogo contra o Baúru acho ele vinha de uma sequência muito boa, jogando melhor que o Meyinsse inclusive em alguns jogos.

Sobre o Gegê, não tem nem o que comentar, é só olhar as estatísticas, é o nosso pior jogador no elenco (tirando os mortos da base rsrs).

André Amaral disse...

Obrigado Anderson pelo ótimo comentário. Concordo com todos os pontos. Manter Herrmann e Marcelinho nos custou as seis derrotas do primeiro turno.

Mas vejo pontos positivos, como ter "enfrentado" o Marcelinho e ter tido o aval da diretoria para puni-lo. Foi a partir daqui que o time conseguiu uma sequência de vitória, somente interrompido pela derrota frente ao Bauru.

Não foco somente no Neto, tinha muito atleta não jogando nada, como o Laprovittola, o principal jogador desse time, por exemplo. O Neto merecia as críticas, reagiu bem, assim como os jogadores.

Herrmann foi uma decepção, apesar do seu brilhantismo e carregar toda uma história de vida e também como atleta - campeão olímpico.

Abraços

André Amaral disse...

Pelo tom da entrevista dos amigos do Garrafão RN com o Felício, ele não volta: http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/garrafao-rubro-negro/post/caminho-dos-estados-unidos-cristiano-felicio-agradece-o-flamengo-foi-importantissimo-na-minha-evolucao-dentro-de-quadra.html

Anônimo disse...

Caro Anônimo,

Em relação ao Gêge, apenas para não deixar seu questionamento sem resposta e com o objetivo de provocar uma discussão sadia, apresento abaixo alguns armadores reservas no NBB que considero melhores que o nosso "querido" Gege:

Bauru (Larry Taylor);

Limeira (Deryk);

Franca (o veterano Helinho, que se tornou titular nos playoffs, porque a equipe passou a atuar com dupla armação);

Mogi (Alexandre, lembrando que o Gustavinho se tornou o 3º armador do time ao longo da temporada);

Pinheiros (Jeferson Campos ou Paulinho Boracini, este último não é exatamente um armador, mas faz essa função com frequência - a dupla titular é composta pelos irmãos Joe e Jason Smith);

Paulistano (Fernando Pena, esse é do mesmo nível do Gege, porém mais experiente).

Saudações rubro-negras.

Anderson.


Anônimo disse...

Prezados,

Quanto ao Felício, respeito a opinião de todos, especialmente do Barreto, que (como eu) detesta os defasados cincões, que acumulam pontos no ataque na mesma proporção em que comprometem o trabalho defensivo e cometem faltas desnecessárias.

O Felício tem a qualidade de ter uma condição atlética impressionante, padrão NBA (por isso é chamado para a Summer League). A evolução foi tão boa nesse quesito que quando estive em alguns jogos do Flamengo este ano (aqui em Minas e no Rio) fiquei com a sensação de que o rapaz cresceu alguns centímetros de 2014 para 2015.

Por esses motivos, e com o trabalho que vem sendo feito, ele "explodiu" seu desempenho defensivo e o aproveitamento nos rebotes.

No entanto, acho o Felício extremamente limitado na parte técnica ofensiva. Ele não tem nenhum trabalho de finta/bandeja e também deixa muito a desejar nos arremessos (mesmo para os padrões de pivôs). Nesse quesito que se esperava uma maior evolução por parte dele, que já não é mais tão garoto assim (fará 23 anos em julho de 2015).

Basta lembrar que ele era o "dodoi" do técnico Ruben Magnano e agora tem sido preterido nas convocações (estou me referindo às convocações direcionadas a jogadores jovens, para ganhar experiência).

Por esses motivos entendo que o Gérson (Mogi), convocado para a disputa do Sul-Americano e o Lucas Mariano (relacionado entre os cinco melhores pivos do NBB7) deixaram o Felício para trás no quesito "maiores promessas do garrafao brasileiro".

Enfim, respeito a opinião de todos, mas acho que há no mercado jogadores que poderiam ser mais úteis, ainda que o Felício não seja nenhum desastre (longe disso) como reserva do Meynsse.

Saudações Rubro-negras!

Anderson

Barreto disse...

Anderson,

Realmente não gosto de cincões pesadões, prefiro um pivô ágil.

Realmente acho que o Felício tem algumas limitações, mas não vejo nenhum pivô reserva em outros times melhor do que ele. Lucas mariano na realidade não é pivô e sim ala pivô e inclusive joga no Franca nesta posição.Os pivôs do Franca , são o Leo e aquele cabeludo que não me recordo o nome. Todavia dá para conseguir um substituto para ele sem qualquer perda significativa. O que é realmente imprescindível mesmo é renovar com o Nico, Benite e Marquinhos.

Anônimo disse...

Barreto,

Na série contra Bauru o quinteto principal de Franca foi armado da seguinte forma: Figueroa, Helinho, Marcos Mata, Leo Meindl e Lucas Mariano.

Basicamente, o Lula escalava o time com uma dupla armação (como o Flamengo passou a trabalhar com a titularidade do Benite), dois alas altos e um único pivô, que era o Lucas Mariano.

De fato, o Lucas Mariano sempre foi um ala/pivô, mas nesta temporada atuou como pivô em diversos jogos. Contra Bauru era dele a tarefa de marcar o Murilo.

O próprio Felício também era um ala/pivô. Enfim, em tempos de pivôs modernos, mais ágeis, a distinção entre as posições 5 e 4 tem se tornado cada vez mais sutil.

Depois repare no Gérson (Mogi). Os números dele no NBB não dizem muito, mas o cara terminou a temporada arrebentando. É um pivô ágil (não tão forte fisicamente como o Felício), que se deu bem nos rebotes contra a turma de Bauru e que tem um bom arremesso, boa técnica. Ele estava nos EUA. Não por acaso, foi convocado para o Sul-Americano.

Concordo que o que interessa mesmo é manter o Nico, o Marquinhos e o Benite. Se o investimento for mantido, o elenco poderá se tornar mais forte, porque o Hermann é um jogador muito caro. Sei que muita gente vai me exorcizar por isso, mas eu não manteria o grande (sem ironias, o cara é o maior ídolo do nosso basquete) capitão Marcelinho Machado. Mas acho que esse é um assunto para outro dia...(não quero nem ver as pancadas que vou tomar por aqui...).

Enfim, estou muito ansioso pelas notícias sobre as contratações. E ao mesmo tempo apreensivo com a questão dos patrocínios e investimentos (sou mineiro...rsrs).

Saudações rubro-negras!

Anderson.

Barreto disse...

Anderson

Todos que frequentam este blog são flamenguistas e amam o basquete. Respeito todas as opiniões e acho até mesmo que não renovar com o Marcelo pode ser uma opção válida. O contrato dele termina em dezembro e dificilmente fora do Flamengo ele vai conseguir manter o seu salário. Nos playoffs ele foi importante notadamente no jogo 3 contra Limeira. Acho que ele ainda pode ser útil. Quem sabe ele não topa uma redução salarial para encerrar a carreira no Fla.

Barreto disse...

O meu entendiento da entrevista do Nico ao jornal olé é que, no momento, o Flamengo é o plano B.