segunda-feira, 2 de março de 2015

Liga das Américas 2015 - Quadrangular Semifinal: Peñarol 86 x 88 Flamengo


O Flamengo por pouco, por muito pouco não colocou a perder os três ótimos quartos iniciais ao levar 34 pontos no quarto final. Tinha sofrido apenas 30 no primeiro tempo.

O nome do salvador da pátria Rubro Negra chama-se Nicolas Laprovittola, que conseguiu uma cesta faltando três segundos para terminar o jogo.

Vitória por 88 x 86 para por fim à reação incrível da equipe argentina.

Essa quase virada - eles chegaram a empatar o jogo em 86 x 86 faltando oito segundos, lembrou muito a histórica vitória do Flamengo no Final Four da Liga Sul-Americana de 2012, disputado em Corrientes na Argentina. 

Primeiro jogo no quadrangular final, o Peñarol amassava o time da Gávea com 49 x 29 no placar durante o intervalo.

O Flamengo cortou para dez pontos ao fim do terceiro quarto. E conseguiu a virada por 79 x 78 no quarto final com um toco de Caio Torres nos segundos finais. E o detalhe desse jogo é que a equipe não acertou nenhuma, absolutamente nenhuma bola de três durante todo o confronto.

O Peñarol por pouco não vinga essa derrota. E seria uma façanha ainda maior, pois foi para este quarto final perdendo por 17 pontos e conseguiu chegar ao empate.

Laprovittola foi o cestinha com 18 pontos. Marquinhos anotou 15 pontos. Os reservas tiveram participação decisiva, anotando 35 pontos.

E o destaque absoluto é o crescimento de Felício, que fez três jogos bem superiores ao Meyinsse. 

Vamos aos números: Felício terminou com 23 pontos e 27 rebotes. Enquanto Meyinsse teve 16 pontos e 7 pontos.


O JOGO

Laprovittola abriu o jogo com cinco pontos seguidos. Peñarol respondeu e virou para 7 x 5.  Com 11 x 9 a favor e quase quatro minutos de jogo, o armador argentino cometeu duas faltas e foi pro banco. Entrou Gegê e o Flamengo deslanchou no placar: 20 x 13.

Os dois ataques erravam bisonhamente. Marquinhos perdeu dois bons contra-ataques, se embolou com a bola. E o Peñarol, que sempre teve uma linha de três excepcional em sua história, não acertava nada. Mesmo assim o Flamengo errou menos e venceu o primeiro quarto com 22 x 17.

Com as entradas de Benite e depois Felício e Marcelinho e contando já com Gegê em quadra, o Flamengo se encontrou e com ótima atuação de Herrmann e duas bolas de três de Marcelinho, abriu sua maior vantagem: 34 x 25.

José Neto leu bem o "Dossiê do Ninho da Nação": Pontos negativos e que ao contrário do que tinha sido a identidade do Peñarol nos últimos cinco ou dez anos, esta é uma equipe sem muita força nos chutes de longa distância. Dos cinco titulares, Gutiérrez é o único atirador puro. Uma escolha dos rivais do Peñarol tem sido uma defesa zona para evitar a sua superioridade física no garrafão e forçá-los a chutar de fora, e nem sempre são capazes de tirar proveito.

Deixou sua defesa marcando zona e permitia livremente os chutes de três, totalmente equivocados da equipe argentina. O Peñarol era forte apenas nos contra-ataques. Mas quando se deparava no cinco x cinco se perdia completamente. 

E foi aí que o Rubro Negro deu o bote para ampliar o placar. Após boas cestas de Gegê e Benite o Flamengo foi pro intervalo vencendo por 45 x 30.

O terceiro quarto começou com Laprovittola, Marcelinho, Marquinhos, Olivinha e Meyinsse de titulares e foi aberto com uma cesta de três de Marcelinho e uma cravada com falta de Meyinsse. O Flamengo abria 8 x 1 e avantagem subiu para a casa dos 22 pontos: 53 x 31.

O experiente Leo Gutierrez, então zerado na partida, matou sua primeira bola de três. Até Leiva acertou uma bola de três. Gutierrez voltou a matar mais uma bola de três e dava sinais perigosos de que estava disposto a impedir a vitória brasileira. Começava a aparecer também o jogo de Laprovittola, que desafogou a pressão argentina com uma bola de três e uma linda assistência para Felício. Este ainda deu um toco no final para permitir uma confortável vantagem de 17 pontos: 69 x 52.

Leo Gutierrez resolveu jogar e tentava encurtar a diferença no quarto final. Mas o Flamengo respondia com Marquinhos e Felício. A vantagem voltava a ser de confortáveis 16 pontos: 77 x 61.

Jogando sem pivôs, o Peñarol voltou ao seu tradicional jogo na linha de três pontos e dessa vez com mais eficiência. Diez acertou uma e Leo fez a cesta e mais a falta, cortando a diferença para dez pontos: 77 x 67.

Com uma corrida de 13 x 04 na sequência, a dupla Massarelli e Gutierrez cortou a diferença para inacreditável um ponto: 81 x 80, faltando dois minutos pro final do jogo. Meyinsse deu um toco legal em Boccia que a imprensa argentina está chorando até agora.

Com 30 segundos, Laprovittola, na infiltração, fez 83 x 80. E começou uma troca de lances livres:

Com 25 segundos, Leo Gutierrez em dois lances livres colocou a diferença para uma vantagem mínima: 83 x 82.

Com 21 segundos, Laprovittola sofreu falta e acertou os dois lances livres: 85 x 82.

Com 13 segundos Massarelli também sofreu falta e converteu os dois lances livres: 85 x 84.

Com 12 segundos Gegê sofreu falta, mas acertou apenas um lance livre e perdeu o outro: 86 x 84.

Na volta, com 08 segundos, Konsztadt foi pra linha de lance livre e acertou os dois, empatando a partida: 86 x 86.

Posse de bola final faltando seis segundos, Laprovittola friamente cala o ginásio argentino com uma cesta espetacular.



Placar final: 88 x 86. Flamengo em primeiro lugar do grupo semifinal.

 Dia 14 de março teremos: Flamengo x Pioneros e Bauru x Peñarol. Nesta semana vamos ter a divulgação da sede do Final Four.

11 comentários:

Ruy Moura disse...

História inacreditável: o Flamengo vencia por 77 x 61 e mantinha a vantagem na casa dos 15 pontos apontando para uma vitória tranquila. De repente uma vizinha começou a gritar que tinha ladrão pulando o muro de casa e de fato tinha. Era um delinquente drogado fugindo de traficantes e que foi prontamente contido pelo serviço de segurança privada, até a chegada da PM. Voltei ao televisor e não acreditei: Flamengo 81 x 74 e depois disso, Marcelinho joga a bola nas costas do Nico, deixando o Penarol a dois pontos do empate. Que sufoco! E que prejuízo causou o delinquente! Alguém pode me explicar porque o Flamengo caiu tanto de produção?

Ruy Moura disse...

Estava tranquilo com a volta do Flamengo aos grandes momentos, capaz de sonhar com o título da Liga das Américas. O que aconteceu? Tomara que o Penarol endureça a semifinal contra o Bauru.

Antônio Neto disse...

Ruy, na minha opinião o José Neto cometeu dois grandes equívocos naquele final de quarto, primeiro foi na demora para parar o jogo (foi preciso que o Peñarol diminuísse a diferença para 10 pontos),o outro erro para mim imperdoável foi ter deixado por tanto tempo o Marcelinho e Herrmann jogando juntos, a defesa ficou totalmente exposta, só no Marcelinho os caras fizeram tranquilamente 10 pontos ou mais.


Fernando disse...

É verdade que o time jogou mal o último quarto do jogo de ontem. Mas jogou muitíssimo bem os outros 11 quartos da semifinal. Alguns jogadores como o Cristiano Felício (como falaram mal do garoto aqui!), Marquinhos, Laprovitolla e o Herrmann tiveram excelentes participações. Existe um endeusamento da imprensa (Byra Bello sobretudo + pessoal de SP) do time do Bauru que não ganhou absolutamente nada até agora. Agora, sem o Jefferson, vão ter que já entrar com o Murilo ou inventar um outro 4. Vamos ser campeões de tudo de novo.

Cadu Rollo disse...

É, não tem como ignorar o fato de termos jogado MUITO bem os dois primeiros jogos e muitíssimo bem 3 quartos de um jogo contra um adversário forte e tradicional, dentro da casa deles.

Mas é fato que o time não pode sofrer apagões tão intensos como foi esse e como foi contra o Pioneiros na primeira fase.

De qualquer forma, o saldo é mais positivo do que negativo. Flamengo passeou por 11 quartos contra bons adversários, deixou uma bela impressão. O crescimento do Felício foi algo sensacional, mas precisa manter, pois precisaremos e muito dele, tanto na fase final da NBB quanto da LDA.

Acredito e muito no Flamengo nessa LDA, seja contra Pioneiros, Bauru ou Peñarol. Temos um time muito forte, uma rotação boa e muita experiência.

Vamos aguardar o resultado da sede da fase final e torcer.

Abs,

Barreto disse...

O Fla cometeu muitos erros no último quarto.Foram 6 turnovers, 3 do Marcelo e 3 do Marquinhos. Estou feliz por ter errado na avaliação sobre o Felício. O cara melhorou muito e continuando neste progresso vai em breve dividir o tempo de quadra com o Jerome.

André Amaral disse...

Além do Felício, é muito destacável a evolução do Olivinha nessa Liga das Américas.

Ele está com média de 15 pontos (quarto maior pontuador da competição) e 9 rebotes (líder).

A chegada do Herrmann e começar no banco no começo do NBB ajudou muito a lhe poupar. Coisa que não acontecia na temporada passada.

O vice-líder em rebotes na Liga das Américas é o Felício com ótimos 8,7.

Dos quatro maiores cestinhas da competição, temos Herrmann em segundo, Laprovittola em terceiro e Olivinha em quarto. Se Marquinhos tivesse disputado a primeira fase também estaria entre os primeiros.

Laprovittola na Liga das Américas passada terminou com média 6,3 assistências. Na primeira fase chegou a estar com 10,3 de média, caiu agora para 7,7.

Antônio Neto disse...

Felício vem jogando bem, melhor que o Meyinsse inclusive, acho que o Neto poderia dar um papel de maior relevância para ele, testar o garoto nesses jogos do nbb que devem anteceder a fase final da LDA.

Antônio Neto disse...

Parece que o Felício já está jogando hoje pela liga de desenvolvimento e amanhã imagino que deva jogar denovo, sinceramente não sei se isso é bom para ele.

DAVID disse...

Critiquei muito o Flamengo mas parece que o time está crescendo na hora certa.A suspensão do Marcelinho foi benéfica pra ele e pro time. Benite vem muito bem e Laprovittola voltou a fazer a diferença. Felicio começou a ter espaço e está dominante no garrafão.Tem que trabalhar esse rapaz, encontrei ele no supermercado e impressiona como ele é alto e com estrutura física avantajada. Não levo em consideração a derrota pro Pioneiros por que não tínhamos o Marquinhos e o Gegê ( a rotação ficou prejudicada) e estávamos classificados. Perdemos o jogo no detalhe.Fizemos uma semifinal impressionante e surramos o campeão mexicano e venezuelano.Estávamos caminhando pra ganhar de 20 pontos do campeão argentino na casa deles mas com 4 ou 5 erros bobos botamos eles no jogo.O melhor de tudo é que botaram o Bauru como favorito e a pressão foi pra cima deles. Vão ter uma semi muito dura com o Penarol e se deus quiser vamos estar esperando na final.Só digo uma coisa, botar uma final num ginásio pra 2 mil pessoas beira o ridículo.

Barreto disse...

Alguém sabe dizer porque o Flamengo não jogou com as marcas da SKY e da Estácio nos 2 últimos jogos da LDB.