sábado, 14 de junho de 2014

Já podem arrumar novas desculpas: Projeto Básico e Termo de Referência foram apresentados ao Ministério do Esporte

A alegação da Secretaria de Alto Rendimento do Ministério do Esporte para não habilitar os projetos do Flamengo foi de que faltou o "Projeto Básico / Termo de Referência".

O secretário Ricardo Leyser, pelo twitter, ora afirmou que o Flamengo "não apresentou o projeto", ora que o Flamengo não apresentou o "plano de trabalho" e ora que faltou o "projeto completo".

Pois vão ter que arrumar novas desculpas, porque seguem o Projeto Básico e o Termo de Referência.

O projeto, por exemplo, da piscina, é um longo arquivo de 15 páginas. Quem se interessar, envio por e-mail.


A justificativa foi escrita e transcrevo aqui no blog:

Com a interdição da piscina olímpica 1, baseados em laudos de engenharia que apontavam para colapso da estrutura, causando não somente prejuízo financeiro ao clube, mas principalmente risco de segurança aos seus usuários, tivemos que alocar todos os 200 atletas da natação ao espaço da piscina olímpica 2 que já era ocupada pelos atletas das equipes de base e ponta do pólo aquático e nado sincronizado, além de cerca de 300 associados do nado livre, 200 alunos adultos das escolas de esportes, 50 atletas masters do pólo aquático e 100 atletas masters da natação e associados em geral o que totaliza cerca de 850 usuários diários entre alunos, atletas e associados. Tal fato vem gerando pouco espaço para o atendimento adequado aos atletas de alto rendimento, causando insatisfação e prejuízo do desenvolvimento esportivo dos atletas. Assim sendo tornou-se inevitável o término da equipe principal de natação do Clube de Regatas do Flamengo, Campeã Brasileira Absoluta no ano de 2012. Atletas como o Campeão Olímpico Cesar Cielo entre outros 7 atletas da seleção brasileira que participou dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 foram dispensados pelo fato de não haver piscina adequada ao treinamento de atletas de alto rendimento. Com a super utilização da piscina olímpica 2, para onde foram transferidos todos os atletas da piscina olímpica 1, a mesma começa também a apresentar problemas em sua estrutura, elevando o risco de também ser obrigada a ser interditada. O fechamento das duas piscinas olímpicas do Clube de Regatas do Flamengo significaria o encerramento de 3 esportes de grande tradição, a apenas 2 anos dos Jogos Olímpicos na cidade do Rio de Janeiro. A falta de infraestrutura das instalações esportivas com condições mínimas de desenvolvimento técnico, de segurança e higiene são grandes empecilhos para o desenvolvimento adequado dos atletas. Considerando o exposto, este projeto visa a construção de uma Piscina Olímpica nos padrões FINA, nas dependências do Parque Aquático do Clube de Regatas do Flamengo, proporcionando o desenvolvimento de atletas de base e adulto que compõem as seleções nacionais de natação, pólo aquático e nado sincronizado. Com a execução deste projeto, o Clube de Regatas do Flamengo proporcionará condições ideais para que os atletas possam atingir o seu potencial máximo, fortalecendo ainda mais a continuidade do trabalho de uma das maiores entidades na formação e no abastecimento de atletas olímpicos para a história esportiva brasileira. Vale ressaltar o empenho do Clube de Regatas do Flamengo que vem se reestruturando administrativamente onde, somente em 2013, já pagou mais de 70 milhões em pagamento de impostos federais, estaduais e municipais que lhes proporcionou a aquisição das certidões negativas de débitos. Fato este que veio a tornar o Flamengo apto à escrever projetos nas Leis de Incentivo Estadual, Federal e nas chamadas públicas do Governo Federal. Esse projeto pleiteado pelo Edital SNEAR Nº 6 / 2013 possibilitará ao Flamengo, ao esporte carioca e nacional a preparação adequada de atletas de alto rendimento rumo aos Jogos Olímpicos Rio 2016 entre vários outros eventos que o antecedem. A parceria com o Governo Federal que viabiliza a destinação de recursos para o desporto de alto rendimento será de fundamental importância para manutenção dos esportes aquáticos no Clube de Regatas do Flamengo, visto que a construção de uma nova piscina tem elevado custo, ao qual o clube se encontra impossibilitado de aportar neste momento.

Alguns detalhes:


E o fatídico Termo de Referência? Novamente, quem se interessar envio o imenso arquivo de inúmeras abas por e-mail.

Trata-se de especificação de diversos bens permanentes que formam uma piscina olímpica com modelos à venda no mercado. A piscina seria da Myrtha Classic Pool's, empresa certificada pela Federação Internacional de Natação e diversos itens que constam nas várias abas no termo, como especificação, por exemplo, de modelo de degrau, dreno, blocos de saída da tradicional Omega, dentre outros.


Pois é. Estava bem estranho mesmo a alegação do Ministério. Agora já sabemos o que aconteceu.

3 comentários:

João Duarte disse...

Então por que foi recusado? Por que isso ta tão estranho?

Leo Villante disse...

Está claro agora o motivo da negação,... com o Flamengo não vai ter boquinha para desviar verba! As confederações e federações, estão adorando!

Iara disse...

E pra quem achar que as informações sao privilegiadas, são publicas e de acesso a qualquer cidadao publicados no site de convenios do governo federal.