quarta-feira, 13 de junho de 2018

Basquete: Jhonatan Luz é o novo reforço do Flamengo


Depois de contratar o treinador Gustavo de Conti, renovar com Marquinhos e acertar a chegada de Deryk Ramos, o Flamengo anunciou mais um nome para a próxima temporada: Jhonatan Luz.

Ambos estão garantidos pelas próximas duas temporadas.

O ala de 31 anos é mais um a chegar do atual campeão Paulistano, onde foi o capitão, obtendo média de 7,7 pontos e 4,7 rebotes por jogo em 21 minutos.

No começo da semana o jogador foi convocado para a Seleção Brasileira.

É um jogador versátil, para atuar em mais de uma posição e com ótima defesa. Além de ser jogador de confiança do treinador Gustavo de Conti.

Por enquanto, do elenco atual, apenas Marquinhos renovou. Anderson Varejão e João Vitor já tinham mais uma temporada. E foram contratados Deryk Ramos e agora Jhonatan Luz.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Basquete: Deryk Ramos é o novo reforço do Flamengo


O ala armador Deryk Ramos é o primeiro reforço do basquete Rubro Negro.

Atual campeão do NBB, Derick terminou a temporada regular com 12,4 pontos e vai continuar trabalhando junto com Gustavo de Conti pelos próximos dois anos na Gávea.

Nas finais do último NBB, o atleta de 23 anos foi o grande destaque do Paulistano, sendo o cesta com 13,5 pontos.

O ala-armador, após deixar Limeira, foi o MVP do título da Liga Sul-Americana conquistado pelo Brasília em 2015. Depois se transferiu para Paulistano, sob o comando de Gustavo de Conti, chegando ao topo do basquete com o título nacional.

Sua principal característica é a força nos tiros de três pontos.

Além da juventude, era o nome desejado pela diretoria: armador que tivesse característica.

Já estão confirmados: Marquinhos, Anderson Varejão, João Victor e agora Derick Ramos.

domingo, 10 de junho de 2018

Brasileirão 2018: Flamengo 2 x 0 Paraná


O Flamengo deu mais uma mostra de que segue em franca organização, agora dentro de campo.

Com os três pontos, a liderança está garantida. Após 11 rodadas, o clube é dono da terceira melhor campanha da era dos pontos corridos após 11 rodadas: 26 pontos. Só fica atrás do Corinthians de 2017 (29 pontos) e Atlético-MG de 2012 (28 pontos).

O que Barbieri está conseguindo executar é um troço incrível, mesmo sem tempo para treinar, com jogos durante o meio da semana e nos finais de semana.

As oito vitórias conquistadas nesse Brasileirão foram sem sofrer gol.

Segundo o Footstats, a equipe Rubro Negra é a mais eficiente do campeonato: precisa de 6,5 finalizações para conseguir um gol e 23 chutes para sofrer um gol.

Diego Alves só levou apenas um gol nas últimas 13 partidas.

Evidente que os jogadores compararam a ideia do Barbieri. Após a saída de Carpegiani, os principais atletas do elenco efetivavam o treinador em toda entrevista. O que era loucura, agora está virando realidade.

O Flamengo hoje é uma equipe que consegue imprimir diversas características e intensidade, mas sempre mantendo o nível de organização e confiança lá em cima. Não tem mais cruzamento desesperado para dentro da área, porque não sabem o que fazer com a bola.

Nesse domingo, não teve o mesmo nível de intensidade como contra o Fluminense. O Paraná pisou no Maracanã acreditando que poderia fazer um jogo igual. Vinha de duas vitórias, abriu mãos dos três volantes e jogou com três atacantes.

Sem Paquetá e sem reserva à altura, Jean Lucas tentou algumas jogadas pela esquerda, mas, evidente, não tem a mesma desenvoltura que o titular. Com Diego centralizado e Éverton Ribeiro pela direita, o Rubro Negro aguardava o momento certo para ser vertical.

O primeiro gol saiu na primeira jogada ofensivamente mais forte. Diego, perto da área - como deve ser, sofreu falta após tentativa de drible. Em cobrança, a bola desviou na barreira e o placar estava inaugurado.

Festa de quase 60 mil torcedores que lotaram o Maracanã.

Henrique Dourado não pode reclamar de falta de oportunidade. Teve uma boa chance quando recebeu dentro da área, girou e chutou para fora.

O Paraná ameaçou apenas uma vez, em um chute que passou perto do gol.

No segundo tempo o Flamengo voltou marcando melhor. Barbieri então fez uma troca ousada e questionável: Arão no Jean Lucas, mas que deu muito certo. O treinador vive grande fase, onde tudo que toca vira ouro. Quando o esquema está organizado, quem entra já sabe o que tem que fazer.

À exemplo do Fla x Flu, o Rubro Negro trocou 15 passes, até Éverton Ribeiro ver boa movimentação de Arão dentro da área, que rolou para Vizeu, livre, empurrar para a rede.

É um Flamengo extremamente frio e tranquilo, sem ansiedade e desespero. Foram 562 passes certos trocados, o recorde da equipe no Brasileirão.

O segundo gol desmontou o Paraná. A rotação, então baixa no primeiro tempo, subiu quando ninguém esperava. Faltou pouco para o time da Gávea fazer o terceiro, quarto, quinto. Mesmo vencendo e trocando muitos passes, o ritmo do Flamengo era envolvente, ofensivo.

No final, grande emoção para a despedida de Vinicius Jr do Maracanã. Ao lado de Vizeu, autor de três gols nos últimos três jogos, a torcida pôde se despedir da dupla com três pontos na conta.

O Flamengo dentro de campo vai bem, resta à diretoria ser certeira na resposta à janela, reforçando fortemente a equipe para o pós-Copa do Mundo.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Brasileirão 2018: Fluminense 0 x 2 Flamengo


Nove jogadores participaram de 50 toques em exatos 57 segundos para a construção do segundo gol.

A jogada começa com Léo Duarte fazendo boa recuperação lá na esquerda, vem pra direita, volta pra esquerda, e aí, com a equipe posicionada, a bola volta pra direita com Éverton Ribeiro partindo pra cima e tabelando com Paquetá, envolvendo quatro jogadores do tricolor e deixando livre para Vizeu marcar com categoria.

Esse é o Flamengo que está sendo construído e moldado por Maurício Barbieri. É preciso reconhecer o grande trabalho que vem fazendo sem tempo para treinar, com jogo três vezes por semana.

As sete vitórias do Flamengo no campeonato foram sem sofrer gol. É um fato extremamente marcante.

É um time que deixou pra trás uma posse de bola infrutífera e tornou-se uma equipe agressiva, envolvente, que pressiona o adversário em busca do gol e, quando perde a posse, recompõe com velocidade e de forma organizada.

Basta saber que o Rubro Negro é o líder em roubadas de bola desse Brasileirão com 204 recuperações, média de 20 por jogo. Ontem foram 23 desarmes. Enquanto esteve com a seleção colombiana, Jonas fez ótimo papel, chegando a conseguir nove roubadas de bola, então recorde do campeonato. Bastou Cuellar voltou e já romper a marca de incríveis 10 recuperações, novo recorde do Brasileiro.

E isso jogando com apenas um volante de ofício. É indispensável  reconhecer o trabalho em prol da equipe de Paquetá, Vinicius Jr e Éverton Ribeiro. Atacam muito, mas não ficam lá na frente sem nenhum compromisso pra marcar.

Exemplo é o posicionamento do Vinicius Jr no dois lados do campo:

(Via Footstats)

E aqui segue todos os pontos que o Paquetá tocou na bola. Praticamente em todo o campo:


Sem Diego, Barbieri teria a opção de jogar com dois volantes e liberar Paquetá pro ataque. No entanto, manteve o esquema, escalando Marlos Moreno na ponta. E foi decisivo. O objetivo do Fluminense era justamente fechar o meio de campo, travar as jogadas e buscar uma bola. Abel revelou que o planejamento era terminar o primeiro tempo 0 x 0.

Com dois pontas abertos o Flamengo teve a amplitude necessária, além de bloquear os laterais do adversário. Com 15 minutos de jogo, a equipe chegou a ter 69% de posse de bola. Com bastante movimentação, marcação alta, o Rubro Negro sufocou.

E não abusou de cruzamentos ou bolas erguidas na área de qualquer maneira. No Flamengo de hoje não tem desespero, não tem ansiedade. Tem toque de bola, movimentação, triangulações e muita habilidade.

Caindo de surpresa pela esquerda, Éverton Ribeiro iniciou a jogada do gol quando cruzou para Paquetá que, dentro da área como se fosse atacante, raspou de cabeça e Marlos Moreno, com velocidade, chegou na frente e sofreu pênalti. Dourado fez o que sabe fazer.

O placar ainda era injusto.

No segundo tempo Abel voltou com dois jogadores de velocidade: Matheus Alessandro e Pablo Dyego. Por 10 a 15 minutos o Fluminense foi melhor. Mas rapidamente Barbieri matou o jogo tricolor com a entrada de Jean Lucas. O treinador Rubro Negro em pouco tempo reorganizou seu time. Conseguiu sair de uma situação que poderia complicar.

Com Vizeu em campo se posicionando como um verdadeiro matador, os 50 toques, com a bola passando por quase todos os atletas, o Flamengo finalizou o jogo com 2 x 0.

O Fluminense jamais ameaçou de verdade. Jamais teve o domínio. O Flamengo foi soberano e jogou com autoridade, até quando marcou da intermediária no começo do segundo tempo. Foram incríveis oito finalizações corretas e apenas uma errada.

Só restou ao tricolor espernear pelas jogadas de efeito dos garotos do Flamengo. Com Abel tendo a cara de pau de pedir pro Barbieri segurar os dribles de Paquetá e Vinicius Jr. Hoje discute-se os dribles e jogadas de efeito, menos os pontapés e as botinadas dos tricolores.

terça-feira, 5 de junho de 2018

Basquete: Marquinhos renova com o Flamengo por dois anos


Há seis anos na Gávea, Marquinhos renovou por mais duas temporadas com o Flamengo.

Após o anúncio do novo treinador, Gustavo de Conti, o clube da Gávea já começa a movimentar o mercado. 

Já estão garantidos: Marquinhos, Anderson Varejão e João Vitor.

O ala Rubro Negro foi o cestinha da fase de classificação com 18,5 pontos de média. Quando tudo encaminhava para continuar tendo boas atuações, não rendeu o esperado nos playoffs, especialmente contra o Mogi, onde foi anulado, ficando por vezes no banco de reserva por vários minutos.

Franca chegou forte, tentou tirar o atleta da Gávea, mas o Flamengo garantiu a renovação.

Basquete: Pego no antidoping, Shamell aguarda suspensão desde fevereiro

Uma notícia bizarra foi divulgada ontem: Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) segurou desde fevereiro a informação de que Shamell foi flagrado em exame antidoping.

O jogador de 37 anos foi testado positivo para betametasona, substância anti-inflamatória que ajuda no combate a dores.

Somente agora, três meses depois, após o fim do NBB, a ABCD informou em seu site o resultado do exame e solicitou ao Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem (TJDA) a suspensão preventiva do jogador.

Pelo fato do julgamento não ter sido realizado até, o atleta pôde disputar tranquilamente o restante do NBB, inclusive destruindo o Flamengo na semifinal, quando anotou 40 pontos e foi um dos responsáveis diretos pela classificação do Mogi.

A demora na divulgação é incomum, pois outros atletas foram suspensos preventivamente depois do resultado do Shamell.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Libertadores 2018: Cruzeiro será o adversário. Agosto cardíaco confirmado!


Em sorteio realizado nessa segunda-feira, foram definidos os confrontos das oitavas de final da Libertadores 2018.

A chave do lado Rubro Negro ficou pesada: nas oitavas o adversário será o Cruzeiro, se tudo der certo, as quartas de finais será contra o Boca Juniors. E depois uma possível semifinal contra Palmeiras e Corinthians.

Lembrando que o Flamengo não terá Paquetá no jogo de ida contra o Cruzeiro no Maracanã.
Caso o adversário seja o Boca Juniors nas quartas, o Rubro Negro definirá a classificação jogando em casa.

É respirar na Copa do Mundo, torcer para Vinicius Jr ficar e cobrar da diretoria bons reforços nessa janela.

Porque agosto promete:

1/8 - Grêmio (fora/Copa do Brasil)
5/8 - Grêmio (fora/Brasileiro)
8/8 - Cruzeiro (casa/Libertadores)
12/8 - Cruzeiro (casa/Brasileiro)
15/8 - Grêmio (casa/Copa do Brasil)
19/8 - Atlético-PR (fora/Brasileiro)
22/8 - Vitória (casa/Brasileiro)
26/8 - América-MG (fora/Brasileiro)
29/8 - Oitavas Liberta (fora/Libertadores)

Basquete: Gustavo de Conti é o novo treinador do Flamengo


Em 7 de novembro de 2017, na vergonhosa derrota para o time amador do Olimpia do Paraguai, em pleno Tijuca, pela Liga Sul-Americana de basquete, por 78 x 76, o blog pediu a imediata demissão do José Neto e a contratação de Gustavo de Conti, então no Paulistano.


Ao final da temporada, em entrevista aqui no blog, o vice-presidente de esportes olímpicos do Flamengo, Alexandre Póvoa, citou o Paulistano como exemplo a ser seguido:


Enfim, chegou a hora: Gustavo de Conti, atual campeão brasileiro, assinou com o Flamengo por duas temporadas.

Agora o mercado começa a pegar fogo pra valer.

Brasileirão 2018: Flamengo 1 x 0 Corinthians


O Flamengo conseguiu mais uma vitória importante para se manter líder do Brasileiro com 20 pontos, após nove rodadas, abrindo quatro pontos de vantagem sobre os segundos colocados: Cruzeiro, Grêmio e São Paulo.

Diante de quase 50 mil torcedores, o Rubro Negro venceu o Corinthians no Maracanã por  1 x 0, em mais uma tarde que referendou uma equipe organizada taticamente e crescendo de forma impressionante em sua coletividade.

Sem tempo para treinar, jogando três vezes por semana, o que Barbieri está conseguindo executar dentro de campo é surpreendente. Além do evidente conjunto, é importante destacar uma equipe mais competitiva, brigando a cada jogo, com outra mentalidade.

Parece também que as saídas dos inoperantes Fred Luz, Rodrigo Caetano e cia fizeram diferença.

E quem foi ao Maracanã viu um novo Diego, um dos grandes nomes da vitória. Quando estava com expectativa pela seleção, o meia encarnou o personagem que o Tite criou para ele: o ritmista. Aquele que "ameaça, mas não dá o passe", sugerindo que sua posição ideal seria a de segundo volante.

Só que pela idade, o jogo real do Diego é atrás dos atacantes, chegando dentro da área. Talvez explique a má fase do atleta que, sonhando com a seleção brasileira, realizava uma função para agradar o Tite, e o seu desabafo, após não se convocado para a Copa do Mundo: se sacrificou em uma posição, muitas vezes jogando mal pelo clube que paga seu salário e, por fim, nem lembrado foi para disputar o Mundial.

Agora Diego tem que pensar no Flamengo. E jogando lá na frente. Foram 48 passes com cinco finalizações. O mapa de calor do Footstats revela:


Já é o segundo jogo seguido, pós não convocação, que Diego volta a ser o melhor em campo. Jogando de forma rápida, sem prender a bola, e perto da área adversária, tem tudo para voltar a ser aquele jogador que encantou a torcida.

Contra o Bahia, o Flamengo chegou a ter 75% de posse de bola. Muitos atribuíram à fraqueza do adversário. Dessa vez, contra o Corinthians, o Rubro Negro chegou a ter 80% de posse. Não que reter a bola seja o principal objetivo, mas jogando diante de sua torcida, é imperioso se impor.

A equipe criava pelos dois lados, chegava com perigo, mas sem conseguir a finalização perfeita pro gol. Novamente Dourado não conseguiu ser o atacante decisivo que se espera. Faltava aquela última finalização certeira.

O Corinthians só foi ameaçar aos 30 minutos, com um chute de Jadson, que passou rente à trave.

No segundo tempo a partida seguia tensa, já com a posse de bola mais equilibrada, no entanto, era o Flamengo com Diego de cabeça e cobrando falta, que levava mais perigo. No restante, a zaga paulista impedia a bola de chegar ao gol com interceptações.

Era a tarde do Diego, que deixou de ser o jogador que desacelera um ataque, para romper a defesa adversária. E foi pela habilidade, deixando dois corintianos para trás, que rolou a bola para Paquetá pegar de primeira e, no rebote, o inesperado Felipe Vizeu colocar a pra rede.

Não há dúvida que os jogadores compraram a ideia do Barbieri. Em coletiva, o treinador revelou que no curto de tempo entre sexta e sábado fez um ensaio sem a bola com os jogadores em campo, depois foi todo mundo para a sala de vídeo para assimilar a forma que deveriam jogar contra um adversário de um trabalho consolidado há tempo. E o time entendeu perfeitamente.

São apenas seis gols sofridos. A metade contra a Chapecoense, com o time reserva e César no gol. Diego Alves levou apenas um gol nas últimas 11 partidas que foi titular. Não apenas por mérito do goleiro, mas de uma equipe que se propõe a recompor, que tem jogadores mais velozes na defesa e acompanham de perto o adversário.

Só ontem foram 29 desarmes corretos. Com Jonas conseguindo sete, além dos 32 passes certos. Importante dizer que o volante levou cartão amarelo logo cedo, e mostrou que está mais maduro, sendo novamente um dos destaques em campo e sem ser expulso.

Vitórias contra o Internacional, Atlético Mineiro e Corinthians são evidências de que o time está no caminho certo. Se será campeão? Difícil saber, mas a torcida sabe que dentro de campo é uma equipe diferente, mais organizada, com os jogadores bem posicionados e com fibra por cada vitória. A torcida também comprou a ideia.

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Brasileirão 2018: Flamengo 2 x 0 Bahia



Nas duas últimas partidas jogando fora de casa (River Plate e Atlético Mineiro) o Flamengo teve apenas 40% da posse de bola, foi pressionado e soube sofrer.

Dessa vez, jogando diante de um Maracanã lotado, o Rubro Negro se impôs e fez uma de suas melhores apresentações nesse campeonato, pelo menos no primeiro tempo.

O time chegou a ter quase 75% de posse de bola, marcava alta e buscava com paciência os melhores ataques. O trio de meias se movimentava fortemente: Diego, Paquetá e Éverton Ribeiro armavam boas inversões para confundir o adversário. Pelos lados do campo, Rodinei e Vinicius Jr tinham o corredor livre para buscar profundidade.

O Flamengo não criou inúmeras chances, mas já merecia o gol pela forte organização tática, que impedia qualquer perigo de um inexpressivo Bahia. Foram três boas chegadas antes do placar ser inaugurado.

Dessa vez, Diego não prendeu tanto a bola. Buscou o passe rápido, de primeira. Forma 41 passes certos, apenas três errados e dois para finalização. Jogando dentro da área, onde é decisivo, foi dele o primeiro toque da tabela para Renê, que deixou o meia livre para abrir o placar.

O Bahia sentiu o golpe e tentou se lançar ao ataque. Na resposta, surpreendente assistência de Renê para Paquetá que, com categoria, fez 2 x 0 e deu justiça ao placar.

No segundo tempo, era impossível continuar jogando com a mesma intensidade dos primeiros 45 minutos. Marcando a partir do meio de campo, o Flamengo passou permitir que o Bahia mostrasse a que veio.

Para piorar: Barbieri ainda teve que fazer duas substituições por contusões. E o time piorou com a saída de Jonas e a entrada do Rômulo, que pouco ajudava o sistema defensivo. E a recomposição dos homens de frente não era tão ordenada.

Lá atrás, além da boa participação da zaga, Diego Alves fez a diferença, com duas ótimas defesas e uma simplesmente espetacular.

Foram incríveis 500 passes certos, o recorde da equipe nesse campeonato, e apenas 40 errados, segundo o Footstats. Mesmo com tanta posse de bola, o Flamengo também conseguiu 15 desarmes certos e nenhum errado.

E aí entra mérito evidente do treinador. Que consegue adaptar as circunstâncias de jogo para cada realidade. Não força a equipe ter posse de bola todo santo jogo de forma indiscriminada, mas escolhe momentos para saber recuar e aguardar, seja para matar no contra-ataque ou para a defesa segurar a barra lá atrás. Que consegue posicionar os jogadores de acordo com suas características, sem invenções.

Costuma-se falar que quando todo o elenco vai mal, o problema deixa de ser individual para ser do treinador. Agora, quando até o contestado Renê, outrora péssimo ofensivamente, consegue participar ativamente dos três últimos gols da equipe, dando assistência e tabelando, aí tem o dedo do treinador.

Outro número elogioso é o de cruzamentos. Mesmo com 500 passes certos, foram apenas seis cruzamentos - três corretos.

Enquanto o Grêmio reclama que não consegue fazer gols pelo fato dos seus adversários jogarem retrancados, o Flamengo buscou seus gols, mesmo contra um Bahia retrancado, através da triangulação, do passe vertical, da movimentação dos seus meias.

Quem ainda destoa disso tudo é Henrique Dourado. Esse parece que não vai se encaixar nunca nesse esquema de jogo Rubro Negro. O nove Rubro Negro precisa ser um atacante de mobilidade, que ajude na triangulação, nas tabelas, que se envolva com o sistema ofensivo. A posição deve ser o principal alvo da Gávea para reforçar a equipe.